Gênero: Espaço - Ressignficações da Leitura de Mundo

Gênero: Espaço - Ressignficações da Leitura de Mundo

“GÊNERO”: ESPAÇO

RESSIGNIFICAÇÕES DA “LEITURA DE MUNDO”

                                                                                                                                   Mirian Menezes

 

O artigo pretende descrever, minimamente, uma “pequena” grande ação de fomento à leitura, desenvolvida em Ponta Grossa – PR - Brasil, sob a coordenação do professor de Informática, Idomar Augusto Cerutti, que ao semear livros em espaços alternativos, democratiza o processo de “leiturização” e dissemina o portador de texto: livro a leitores de todas as idades. No artigo, a reflexão servirá como “pano de fundo” a uma prática exitosa, desenvolvida por pessoas de boa vontade e o resultado poderá ser verificado, através dos links disponibilizados, para visualização do Projeto. A intenção maior deste documento é citar exemplos de boas práticas de estimulação à leitura, em que “modestas” ações locais transformam-se em grandes movimentos universais. A disponibilização de links, para visualização de vídeos e entrevistas, compartilhados pelo organizador e idealizador do Projeto, descreverá, sem necessidade de intervenções, a prática já instalada e reconhecida. Alguns aspectos teóricos servirão apenas como suporte, para que os leitores alcancem a importância dos gêneros “espaciais” (termo inventado), que alcança a esfera da estética, justificando a importância da leitura e da otimização do meio em que se vive.

 

The article in question is intended to describe, minimally, a "small" big action promotion of reading, developed in Ponta Grossa – PR - Brasil, under the coordination of Professor of Informatics, Idomar Augusto Cerutti, which he sowed books in alternative spaces, democratizes the process of "leiturização" and disseminates the text carrier: book to readers of all ages. In the article, the reflection will some "backdrop" to a successful practice developed by people of good will and the result can be checked through the links provided to the Project view. The intent of this document is greater cite examples of good practice of stimulating reading, where "modest" local actions are transformed into great universal movement. The provision of links for viewing videos and interviews, shared by the organizer and creator of the project, describe, without the need for interventions, the practice already installed and recognized. Some theoretical aspects will only serve as a support, so readers reach the importance of the "spatial genres" (invented term), which reaches the realm of aesthetics, justifying the importance of reading and the medium optimization in which we live.

 

 

Embalado pelo rap “Eu tenho poder” de Marcelo D2, o produtor de vídeo paulista Fábio Amorin vestiu a camisa do Pegaí – Leitura Grátis e produziu VT para ilustrar a revitalização do ponto de ônibus do campus Uvaranas da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) que está abrigando um armário do projeto de democratização da leitura em Ponta Grossa”. 

Excerto retirado de notícia veiculada à Internet - https://www.facebook.com/ProjetoPegai/videos/vb.678148432200487/1146794892002503/?type=2&theater&__mref=message

 

Ao assistirmos à amostra do grandioso Projeto, existente há mais de dois anos, reportamo-nos a BRAGA (2009: P. 17), numa releitura de Paulo Freire: “Se o ato de ler implica ler o mundo, mesmo antes, e até depois, de termos acesso ao código escrito, pressupõe-se que entra em jogo toda a experiência existencial do leitor e que, portanto, ler é um processo ativo, depende da interação texto-leitor”.

Ao contrário do que temos como os clássicos exemplos de ambientes de leitura (Bibliotecas), fundamentais para o desenvolvimento cultural de um País, espaços externos, desde que preparados, com a finalidade de despertar o “prazer pela leitura”, podem se “potencializar” em “bibliotecas” alternativas, capazes de magnetizar e atrair a atenção dos leitores, para os portadores de textos que a constituem.

O Projeto PEGAÍ, dentre os diversos Projetos exitosos, existentes em todo o Brasil, destaca-se por vários motivos, sendo um deles a disponibilização de materiais de leitura a públicos de todas as idades, em espaços “inusitados” e diferentes, ressignificando  os ambientes externos, que se configuram como bibliotecas vivas e alternativas.

Entendendo que um “espaço preparado”, especialmente, para a leitura possui o potencial de se transformar em um “gênero” à parte, pronto para ser lido por transeuntes e por leitores “de passagem”, a iniciativa do Prof. Idomar Cerutti destaca-se pela democratização e boa utilização dos espaços diversos, tendo como principais fundamentos: a “estética” e a gratuidade das ações.

 

A revitalização do local bem como a colocação do armário – antigo painel elétrico – marcaram os dois anos de funcionamento do Pegaí no município.
Para chegar neste resultado, vários artistas deram sua contribuição. O grafite que deu ‘cara nova’ ao ponto de ônibus foi realizado a partir do talento dos grafiteiros Luidhi Lima e Carlos “farinha” Barbosa, de Ponta Grossa. As imagens foram capturadas pelo idealizador do Pegaí, Idomar Augusto Cerutti, que ao iniciar a proposta em Ponta Grossa já seguiu um dos ‘conselhos de D2’: “Se tu (grifo meu) quer fazer história, essa é a hora”. “O vídeo mostra a habilidade artística de todos”, comenta o idealizador, destacando que a criação – tanto do grafite como do vídeo - é dos artistas. “Eu apenas dei o tema e a liberdade para eles criarem”, dispara”.

Excerto retirado de notícia veiculada à Internet: https://www.facebook.com/ProjetoPegai/videos/vb.678148432200487/1146794892002503/?type=2&theater&__mref=message

 

 

Outra ação interessante a ser citada neste artigo, que se comporta mais como um relato de prática é a característica de parceria, estabelecida entre o Coordenador do Projeto e membros da comunidade local, abrangendo múltiplas esferas da sociedade civil.

 

Padarias do Tozetto fizeram parceira para divulgar passo a passo do projeto nos sacos de pão. O projeto Pegaí Leitura Grátis está ampliando a divulgação do sistema de empréstimo, devolução e doação de livros. Através de uma parceria com o Supermercado Tozetto, as padarias de sua rede de lojas estão colocando os pães comercializados em pacotes contendo um passo a passo que explica o funcionamento do projeto.

Fontes do excerto:

http://l.facebook.com/l.php?u=http%3A%2F%2Farede.info%2Fponta_grossa%2Fprojeto-pegai-divulga-acao-em-sacos-de-pao%2F&h=FAQFFNrwt&s=1

                                                                       Informações do Jornal da Manhã.

 

Fantástica é esta iniciativa, capaz de envolver voluntários e estabelecer pontos de coleta (para devolução ou doação de livros). Em dezembro de 2014, somente, como exemplo, tive o prazer de doar livros de minha biblioteca pessoal, que se transformaram em verdadeiros presentes de Natal aos “clientes” do Projeto. O fato aguçou minha paixão pelo belo trabalho, que já possui estantes espalhadas em diversos pontos do município paranaense e dissemina alegria a grande quantidade de leitores.

A criatividade do organizador e de sua equipe não possui limites e o enorme esforço empreendido trouxe credibilidade ao trabalho de fomento à leitura.

É importante destacar que o ambiente virtual possui grande papel na divulgação do Projeto e os links disponíveis foram fornecidos pelo Coordenador, que poderá, posteriormente, colocar os seus contatos, juntamente com o artigo a ser publicado virtualmente.

Sobre a questão estética, vale citar BAKTIN (2010:  P. 33):

A atividade estética não cria uma realidade inteiramente nova. Diferentemente do conhecimento e do ato, que criam a natureza e a humanidade social, a arte celebra, orna, evoca essa realidade preexistente do conhecimento e do ato – a natureza e a humanidade social – enriquece–as e completa-as, e, sobretudo ela cria a unidade concreta e intuitiva desses dois mundos, coloca o homem na natureza, compreendida como seu ambiente estético, humaniza a natureza e a naturaliza o homem.

 

Eis que temos uma pequena amostra do PROJETO PEGAÍ, coordenado pelo Professor Idomar Cerutti e que merece todo o nosso reconhecimento.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

 

BRAGA, Regina Maria. Construindo o leitor competente: atividade de leitura interativa para a sala de aula/ Regina Maria Braga, Maria de Fátima Silvestre, 3. Ed. – São Paulo: Global, 2009.

BAKTHIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do Método Sociológico na Ciência da Linguagem. Trad. Michel Lahud; Yara F. Vieria. 7ed. São Paulo. Hucitec Editora.

______________. Questões de literatura e de estética. A teoria do Romance. 6ed. São Paulo. Hucitec, 2010.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler. 30. ed. São Paulo: Cortez, 1995. (Coleção Questões da nossa época: v. 13)

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro.; trad.: Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya; revisão técnica de Edgar de Assis Carvalho.São Paulo: Cortez; Brasília, , DF: UNESCO, 2000.

SOUZA, Renata Junqueira de (org.), Biblioteca escolar e práticas educativas: o mediador em formação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2009.

ZILBERMAN, Regina/ SILVA, Ezequiel Theodoro da. (organizadores). Leitura, perspectivas interdisciplinares. 5. ed. São Paulo: Ática, 1999.

 

Créditos virtuais:

https://www.facebook.com/ProjetoPegai/videos/vb.678148432200487/1146794892002503/?type=2&theater&__mref=message

 

http://l.facebook.com/l.php?u=http%3A%2F%2Fredeglobo.globo.com%2Fcomo-sera%2Fnos-doc%2Fnoticia%2F2015%2F04%2Fprofessor-transforma-espaco-publico-em-biblioteca-em-ponta-grossa-pr.html&h=vAQGaPvN5&s=1